Facebook SDK

A médica faz parte dos profissionais que estudam, aplicam, defendem e estão salvando diversas vidas com o tratamento precoce para Covid-19.

Instagram censura médica por defender autonomia profissional e testagem em massa
Foto: Reprodução

| Por: Diógenes Freire (Publicado em 25.03.2021 no site Estudos Nacionais)

A anestesista, Luciana Cruz, teve duas postagens censuradas pelo Instagram em pouco mais de uma semana. A primeira postagem se tratava apenas de uma republicação do instagram da Prevent Senior divulgando uma campanha de testagem em massa para Covid-19. Na segunda postagem censurada, a médica havia publicado um texto em defesa da autonomia médica.

$ads={1}

A primeira postagem foi censurada no perfil da médica, mas continua ativa na conta da Prevent Senior. Trata-se de uma campanha de testagem em massa para pessoas entre 50 e 74 anos que teve início no último dia 18 de março no estilo drive thru. A operada de saúde divulgou um link com todas as informações sobre a campanha.


No perfil da médica, o Instagram considerou a informação falsa e prejudicial.

Instagram censura médica por defender autonomia profissional e testagem em massa
Foto: Reprodução

“E essa censura? Publicação sobre a nova ação da Prevent Senior excluída por se tratar de ‘informação falsa ou prejudicial’. Que tal gente?”, reclamou a médica.

O Instagram também considerou “falso e prejudicial” o texto que a anestesista postou sobre a autonomia médica em prescrever medicamentos off label (fora da bula) para pacientes acometidos pela Covid-19. A doutora Luciana Cruz reclamou de mais esta censura e reproduziu o texto em seu grupo no Telegram. Confira o texto completo.


EM DEFESA DA AUTONOMIA MÉDICA!

No início da pandemia, quando ainda não tínhamos evidências científicas para o uso de praticamente nenhum medicamento no tratamento da COVID-19, foi baseando-se quase que exclusivamente na plausibilidade fisiopatológica que muitos medicamentos foram prescritos pelos médicos. Nesta época, foi necessária muita coragem aos médicos para tratar uma doença sobre a qual não se sabia quase nada. Muito foi feito graças a autonomia garantida a nós no exercício da profissão. Lembro-me bem, ainda em abril de 2020, quando assisti a primeira entrevista do Dr. Zeballos @zeballos59 em que ele relatava sucesso no uso de corticóide na fase inflamatória da doença, não foram poucas as críticas que vi sobre a sua conduta, inclusive por Presidentes de Sociedades Médicas, e depois, o corticoide veio a ser evidenciado como um tratamento eficaz contra a COVID-19. Mas até que isso acontecesse, milhares de vidas foram salvas graças ao direito do médico de tratar seu paciente da forma que acredita ser a mais adequada. O CFM garante ao médico a autonomia para prescrever medicamentos off-label (fora de indicação da bula) para pacientes acometidos pela COVID-19. O posicionamento do Conselho foi fundamental para que muitas vidas fossem salvas antes das evidências científicas robustas para o uso de diversos medicamentos. Atualmente, muito já foi estudado e descoberto sobre uso de medicamentos no combate a COVID-19. O Ministério Público Federal publicou recentemente uma Nota Técnica elaborada por quatro brilhantes cientistas, com as evidências científicas disponíveis para o tratamento da COVID-19 e baseando-se nisso, muitos médicos tem tratado seus pacientes com êxito, em todos os estados do Brasil. Atualmente somos milhares de médicos tratando com todo este arsenal terapêutico, e a cada dia aumenta a quantidade de pacientes que conseguiram superar a COVID-19 sem necessidade de internação, mesmo que alguns já estivessem em estágio avançado da doença. Por tudo isso, reiteramos que o direito de prescrição conferido ao médico e o direito do paciente de ser tratado da forma como deseja devem ser assegurados! Defenda você também esta causa! #autonomiamédica

A anestesista é uma das signatárias da carta assinada por mais de 10 mil médicos e entregue ao Presidente da República ainda em agosto do ano passado defendendo o tratamento precoce contra a Covid-19. A doutora Luciana Cruz também faz parte dos profissionais que estudam, aplicam e defendem o tratamento precoce constantemente nas redes sociais. Um perfil foi criado no Instagram para divulgar o nome, a especialidade e o local onde alguns desses médicos atendem.


A médica também criou um link com informações sobre o tratamento precoce. Parte das informações é destinada aos médicos por se tratar de grupos de estudos e de discussão, mas outra parte é direcionada ao público em geral com esclarecimentos sobre o tratamento na fase inicial da doença.

Instagram censura médica por defender autonomia profissional e testagem em massa
Foto: Reprodução

Em julho de 2020, a médica participou de uma live com o jornalista Alexandre Garcia, onde médicos especialistas de diversas áreas defenderam o tratamento precoce.


$ads={2}

Inscreva-se no canal do Mídia em Ação no Youtube e visite as nossas páginas no Facebook, Twitter, Instagram e Vimeofull-width

Deixar comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Continua depois da publicidade

Publicidade