Facebook SDK

Patroa pode pegar de quatro a 12 anos de prisão se for condenada

Caso Miguel: Sarí Corte Real é indiciada por abandono de incapaz seguido de morte
Sarí Corte Real era a patroa da mãe do menino Miguel - Foto: Yaci Ribeiro/ JC Imagem



A Polícia Civil de Pernambuco indiciou, nesta quarta-feira (1º), Sarí Corte Real pela queda do 9ª andar de um edifício no Recife do garoto Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos. O caso aconteceu no dia 2 de junho.

A conclusão do inquérito foi apresentado em entrevista coletiva online, comandada pelo delegado Ramon Teixeira, responsável pelas investigações.

Leia também ↷
>> Mirtes, mãe de Miguel, entra em delegacia para falar com Sarí: 'Não vi arrependimento'
>> Caso Miguel: Peritos vão novamente ao edifício onde menino morreu

"A conduta de permitir o fechamento da porta, claramente intencional, conduziu a criança à área de insegurança, diante dos vários riscos existentes no edifício. Com essa ação, diversas poderiam ser as formas de encontrar o resultado morte indesejável, mas previsível", disse o delegado.
Caso seja condenada pela justiça, Sarí pode pegar de quatro a 12 anos de reclusão. O delegado Ramon descartou a possibilidade do homicídio doloso e do dolo eventual. Ele ressaltou que o inquérito buscou agir de forma isenta. "A gente sempre sempre zelou pela transparência, porque a sociedade merece e precisa de respostas para o que aconteceu. Desde o primeiro momento agimos com zelo, exclusivamente pautado pela técnica", afirmou.

Relembre o caso Miguel

Miguel Otávio, de 5 anos, caiu de uma altura de 35 metros do Condomínio Píer Maurício de Nassau, na área central do Recife, no dia 02 de junho. Ele estava sob os cuidados de Sarí Corte Real quando ela deixou a criança sozinha no elevador, que o levou até o nono andar do prédio, onde caiu e morreu.

A mãe da criança, Mirtes Renata, trabalhava como empregada doméstica na casa de Sarí e deixou o filho sob a responsabilidade da patroa para descer e passear com o cachorro da família dos patrões. No entanto, após negligência da empregadora, a criança caiu de uma altura de 35 metros. O menino estava procurando pela mãe no momento do crime. 

Imagens do circuito interno de segurança do prédio onde a criança caiu mostraram o momento em que o menino foi deixado sozinho no elevador. Em um vídeo, registrado às 13h08, a dona do apartamento aparece segurando a porta do elevador e conversando com o menino. Em seguida, depois de algum tempo de conversa, Miguel sai do equipamento. Dois minutos depois, ele volta sozinho, entra novamente no elevador e Sarí vai atrás. É neste momento que ela aperta o último botão onde fica a cobertura, a porta fecha e Miguel aciona outros andares. Antes de parar no nono andar, o elevador parou no sétimo andar.

$ads={1}
Mirtes contou ainda que Sarí estava fazendo as unhas com uma manicure no momento em que Miguel caiu. 

Sarí Côrte Real é espora do prefeito de Tamandaré, no Litoral Sul de Pernambuco, Sérgio Hacker. Ela foi presa em flagrante por homicídio culposo e liberada, após pagamento de fiança no valor de R$20 mil. 

De acordo com a polícia, as imagens das câmeras de segurança foram a principal prova da "negligência" da mulher, como a polícia definiu. As investigações do caso estão com o delegado Ramon Teixeira, titular da Delegacia Seccional de Santo Amaro.

Com informações da Rádio Jornal

Inscreva-se no canal do Mídia em Ação no Youtube e visite as nossas páginas no Facebook, Twitter, Instagram e Vimeo!

Deixar comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Continua depois da publicidade

Publicidade