Facebook SDK

Petroleira informa que o preço médio de venda do gás liquefeito de petróleo (GLP) para as distribuidoras é de R$ 35,98. No Distrito Federal, o valor ao consumidor final passa de R$ 90

Gás de cozinha fica 6% mais caro a partir desta quinta, diz Petrobras
Foto: Reprodução/ Internet

A Petrobras anunciou que, a partir desta quinta-feira (7/1), o preço do gás liquefeito de petróleo (GLP), o gás de cozinha, terá um reajuste de 6%. Assim, o valor médio de venda para as distribuidoras será equivalente a R$ 35,98 por botijão de 13 quilos (kg). No Distrito Federal, o produto custa mais de R$ 90 e pesa no orçamento das famílias.

$ads={1}

“Os preços de GLP praticados pela Petrobras seguem a dinâmica de commodities em economias abertas, tendo como referência o preço de paridade de importação, formado pelo valor do produto no mercado internacional, mais os custos que importadores teriam, como frete de navios, taxas portuárias e demais custos internos de transporte para cada ponto de fornecimento, também sendo influenciado pela taxa de câmbio”, informou a petroleira. “Esta metodologia de precificação acompanha os movimentos do mercado internacional, para cima e para baixo”, acrescentou.

Ainda segundo a estatal, com base em dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), na semana de 27 de dezembro de 2020 a 2 de janeiro de 2021, 45% do preço ao consumidor final correspondiam à parcela da Petrobras. Os preços nos postos de revenda de todo o país são monitorados pela ANP por intermédio de pesquisas semanais.

Além da parcela de 45% da Petrobras, 37% são referentes às margens de lucro das distribuidoras e revendedoras, 15% são de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) e 3%, dos tributos federais Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

Repasse

O especialista Henrique Costa, CEO da Accel, maior fabricante de medidores de água, luz e gás da América Latina, explicou que o aumento é efeito da alta do barril de petróleo e da desvalorização cambial. “A política da Petrobras de 2007 a 2014 foi o congelamento de tudo que estava atrelado ao barril de petróleo. No governo Temer, os reajustes eram trimestrais. Agora, são realizados conforme as oscilações do mercado. O barril caiu a US$ 20 durante o auge da pandemia, mas voltou ao patamar de US$ 50 a US$ 60. O governo está antecipando e repassando para a população”, avaliou.

$ads={2}

Segundo Costa, o Brasil importa uma parte de GLP. “Durante a pandemia houve maior consumo do GLP. A decisão é: alguém vai pagar a conta e no fim do dia é a população. Se a faixa cambial e o petróleo aumentarem, vamos ter mais surpresas”, estimou. O impacto é mais perverso para as famílias mais pobres, para as quais o peso do preço do botijão é mais relevante. “Não há como economizar. Significa comer menos. A alternativa seria equipamentos elétricos, mas a energia também está cara”, disse.

Com informações do Correio Braziliense

Inscreva-se no canal do Mídia em Ação no Youtube e visite as nossas páginas no Facebook, Twitter, Instagram e Vimeo!

Deixar comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Continua depois da publicidade

Publicidade